Recent Posts

14.2.13

O Mentor

 
Cinco notas sobre 'The Master':

1. Joaquin Phoenix é um génio.
 
2. P.T.Anderson provavelmente também é um génio.
 
3. Achei o filme muito bom: basta a personagem de Joaquin Phoenix, a interpretação estarrecedora de Joaquin Phoenix.
 
4. Não obstante os pontos anteriores, não consegui, nem de longe, aderir completamente ao filme. Não percebi bem o que P.T.Anderson pretendia com a personagem de Seymour Hoffman (outro actor monumental. Aproveite-se o parêntesis para notar como a Academia subtilmente notou que não obstante ele ter praticamente tanto tempo de cena como Joaquin Phoenix, não é a personagem que mais interessa ao realizador - relegando-o para a disputa do Oscar para actor secundário). Tudo o que tem a ver com a 'Causa' e tudo o que tem a ver com a relação Hoffman/Phoenix me passou um bom bocado ao lado.
 
5. Resumidamente: partilho todas as perplexidades expressas por Roger Ebert na sua crítica, nomeadamente a primeira ('It has two performances of Oscar caliber, but do they connect?') e a última 'But what does it intend to communicate?'. Sim, que raio pretende P.T.Anderson transmitir-nos com este filme?
 

7 comments:

O Narrador Subjectivo said...

Ainda não vi, mas devo dizer que em There Will Be Blood senti esse distanciamento de início, mas depois as coisas foram-se ligado e agora é o meu preferido do PTA...

Harry_Madox said...

Acho que aqui me pode acontecer o mesmo. Só após passar algum tempo e eventualmente depois de uma revisão poderei chegar a uma conclusão definitiva sobre o filme.

Ricardo Gross said...

O filme é um enigma, e tem momentos em que chega a ser exasperante procurares ligar-te a ele, mas penso que a última cena, com a rapariga inglesa, ajuda qualquer coisa. É um filme, penso, sobre a pulsão descontrolada da líbido (no caso do filme, masculina) e de como isso pode encerrar a história de um primordial ou de vários desencontros afectivos. O sexo tomado por ou tornado impulso violento em reacção à ausência de afecto nas nossas vidas. Repara como ele se descontrai e sorri na derradeira cena. É tão simples quanto isso mas o caminho que o filme usa para chegar até lá é hermético e com uma conflitualidade (um mal estar) sempre latente. Se o PT Anderson é um génio será este filme a prová-lo um dia. Gostei do Joaquin Phoenix mas dos dois actores para mim o génio está no outro.

Harry_Madox said...

Devia ter lido a tua crítica antes de escrever este post.

Gostei mesmo muito de a ler.

Joseph K said...

bom, pelo menos já sabemos quem vai vencer o Oscar na categoria de titulo mais autobiográfico

Gostei tb do "Killing me Softly". Viste?

Harry_Madox said...

Não, deixei escapar quando esteve nas salas. Mas ainda tenciono ver...

patricia said...

É curiosa a reação que O Mestre tem despertado na mídia. Nas suas primeiras apresentações, foram unânimes os gritos de "gênio", "obra-prima", "um dos melhores filmes de todos os tempos". Depois a euforia decantou, e começaram a surgir, aqui e ali, algumas vozes sugerindo que faltava algo ao filme. Ninguém sabia dizer muito bem o quê – talvez uma posição do diretor sobre o tema, ou então cenas mais impactantes. Surgiu um clima de fim de festa, de desilusão. prednisone levocetirizine loratadine acetaminophen celecoxib



paroxetine venlafaxine nortriptyline pantoprazole cimetidine benztropine metoclopramide pravastatin pioglitazone clenbuterol ceftriaxone hydromorphone cefazolin enoxaparin norfloxacin roxithromycin tobramycin polymyxine penicillin g vardenafil oxazepam androgen