Recent Posts

28.6.10

Alma perdida


‘Alma perdida’ é a primeira longa-metragem de Sophie Barthes, que além da realização assina o argumento charliekaufmaniano: Paul Giamatti, himself, recorre aos serviços de uma empresa que extrai almas; quer ficar sem esse ‘acessório’, que o angustia. Mas depois descobre que não consegue representar devidamente a peça que anda a ensaiar, ‘Tio Vânia’, e recorre à mesma empresa para lhe pôr uma nova alma... de uma poeta russa!

Sophie Barthes filma esta mistura de ficção ciêntifica e surrealismo com melancolia, serenidade e humor, não caindo jamais em excessos que a bizarria do argumento poderia propiciar. Claro que para isso conta com a preciosa ajuda de Giamatti e da sua neurótica e algo alienada persona.

É sem duvida uma inteligente e promissora estreia desta realizadora francesa de 34 anos - que além de Paris cresceu em sitios como o Irão, Abu Dhabi, Argelia, Buenos Aires, Rio de Janeiro ou Caracas! - e diz ter Buñuel como mestre.

Cold Souls, E.U.A./França, 2009. Realização: Sophie Barthes. Com: Paul Giamatti, Dina Korzun, Emily Watson, David Strathairn, Katheryn Winnick, Lauren Ambrose, Boris Kievsky.

2 comments:

Mc Ako said...

os filmes charliekaufmistas não começam a ser todos iguais, e o giamatti não começa a enjoar?

Harry_Madox said...

pois, depende. eu não consegui acabar o Synecdoche, mas deste gostei (lembrar q não é escrito por ele!).

quanto ao Giamatti ainda não me cansei dele, mas percebo o queres dizer.