Recent Posts

21.2.12

O Artista


No ípsilon de há umas semanas o crítico David Kehr escrevia que os filmes feitos em 1927 eram incrivelmente mais sofisticados do que os de hoje, e acrescentava que o forçado happy end de 'O Artista' mostra-o bem. Quem já tenha visto alguns dos clássicos do mudo não pode deixar de concordar.

O argumento de 'O Artista', sobre a decadência de uma vedeta do mudo e a ascensão de uma estrela surgida com o sonoro, mais o consequente romance entre ambos, é muito batido e a realização, não obstante algumas brincadeiras com o som (o filme não tem diálogos mas está cheio de música e sons) e com os intertítulos (o 'bang!') não sai da mediania e jamais surpreende. É um filme simpático, mas não mais do que isso.

Mas, claro, não há que deixar de elogiar a coragem de Michel Hazanavicius em fazer um filme quase-mudo e a preto e branco nos dias que correm, e a sua vontade de homenagear uma grande arte desaparecida há 80 anos. Ou seja, é o gesto cinéfilo que merece acima de tudo a nossa simpatia.

The Artist, França, 2011. Realização: Michel Hazanavicius. Com: Jean Dujardin, Bérénice Bejo, John Goodman, James Cromwell, Penelope Ann Miller.

5 comments:

Ana said...

É isso mesmo! Não consigo entender a nomeação para melhor argumento original. Destaco a fotografia, que achei brilhante.

Harry_Madox said...

Muito boa, de facto. Quanto às nomeações para os Oscares, já se sabe que obedecem a uma lógica no mínimo tortuosa.

Lia Ferreira said...

The same here! :)

Lia Ferreira said...

Ah! Mas falta dizer (bem... na minha opinião...) que o tipo é bestial! O Jean Dujardin! :)

Harry_Madox said...

Sem dúvida, sem dúvida, o homem podia ser um actor do mudo.